Máterias

BARRRA BRANCA

BARRRA BRANCA

Produtos Elaamil

Farmácia Estrela Ibicaraí

Prefeitura Municipal Ibicaraí

Edward Snowden, o homem que denunciou a vigilância massiva dos EUA sobre seu povo e outros Países


Edward Joseph Snowden (Nascido em Elizabeth City, 21 de junho de 1983) é um analista de sistemas, ex-administrador de sistemas da CIA e ex-contratado da NSA que tornou públicos detalhes de vários programas que constituem o sistema de vigilância global da NSA americana.

A revelação deu-se através dos jornais The Guardian e The Washington Post, dando detalhes da Vigilância Global de comunicações e tráfego de informações executada através de vários programas, entre eles o programa de vigilância PRISM dos Estados Unidos.

Em reação às revelações, o Governo dos Estados Unidos acusou-o de roubo de propriedade do governo, comunicação não autorizada de informações de defesa nacional e comunicação intencional de informações classificadas como de inteligência para pessoa não autorizada.

Em 2015, o filme Citizenfour, foi o ganhador do Oscar na categoria de melhor documentário. O documentário dirigido por Laura Poitras aborda a extensão da vigilância global e espionagem pelos Estados Unidos, feitas através da NSA bem como, em filmagem feita durante o desenrolar dos eventos, documenta como se deram os encontros com Edward Snowden antes e depois da sua identidade ter sido revelada ao público.

Edward Joseph Snowden nasceu em Elizabeth City, Carolina do Norte, e cresceu em Wilmington, Carolina do Norte. Seu pai, Lonnie Snowden, residente de Pennsylvania, era um oficial da Guarda Costeira dos Estados Unidos, e sua mãe Elizabeth, conhecida como Wendy, residente de Baltimore, Maryland, é uma funcionária de um tribunal federal de Maryland.

Em 1999, Snowden mudou-se com a família para Ellicott City, Maryland. Estudou computação na Anne Arundel Community College para obter os créditos necessários para obter um diploma de ensino médio, mas não concluiu o curso.

Carreira:

Em 7 de maio de 2004, Snowden alistou-se no Exército dos Estados Unidos, como um soldado das Forças Especiais, mas não completou o treino por ter quebrado as duas pernas num acidente de treino. Ele disse que queria lutar na guerra do Iraque, porque "sentiu que tinha a obrigação como ser humano de ajudar a libertar as pessoas da opressão".


O seu emprego seguinte foi como guarda de segurança no Centro de Estudos Avançados de Língua na Universidade de Maryland, antes, ele disse ter-se reunido à Agência Central de Inteligência (CIA) para trabalhar em segurança de TI.

Saída dos Estados Unidos:

Do Hawaí, onde trabalhou na Booz Allen Hamilton e antes de revelar documentos secretos aos jornalistas, Snowden viajou para Hong Kong em 20 de maio de 2013. As autoridades norte-americanas ao tomar conhecimento de sua presença em Hong Kong, solicitaram sem sucesso sua extradição.

Em Hong Kong, ele então se reuniu com o jornalista Glenn Greenwald e a cineasta e jornalista Laura Poitras e lhes entregou os documentos que comprovavam as suas afirmações da existência dos programas de Vigilância em massa.

Em 22 de junho de 2013, as autoridades federais dos Estados Unidos apresentaram acusações formais contra o ex-agente da CIA pelo vazamento de dados secretos do governo que revelaram detalhes do projeto de monitoramento global, denominado PRISM, que monitorou as conversas telefônicas e transmissões na Internet de cidadãos dos EUA e de outros países.


De acordo com a declaração de funcionários americanos à imprensa local, Snowden também foi acusado de espionagem, roubo e transferência de propriedade do governo em um documento confidencial, apresentado em um tribunal federal da Virgínia.

No dia 31 de outubro de 2013, o secretário americano de Estado, John Kerry, admitiu que os Estado Unidos "foram longe demais" em alguns casos de espionagem, mas justificou as práticas de Inteligência e coleta de informações como parte da luta contra o terrorismo e a prevenção de atentados. 


Em 23 de junho de 2013, Snowden embarcou em um avião comercial da Aeroflot, de Hong Kong com destino a Moscou, sob os cuidados de Sarah Harrison, jornalista britânica, pesquisadora legal e editora da WikiLeaks. Sarah trabalha com a equipe de defesa legal de Julian Assange e da WikiLeaks.

Na manhã de 24 de junho de 2013, ficou detido na área de trânsito do Aeroporto Internacional Sheremetyevo enquanto Harrison trabalhava para obter asilo para Snowden juntamente com advogados russos. Em 1 de agosto de 2013, Snowden saiu do aeroporto Sheremetyevo após passar mais de um mês na zona de trânsito local.

Em 29 de Dezembro de 2013, no 30° Congresso de Comunicação Chaos, Sarah Harrison foi aplaudida por longo tempo por ser considerada como tendo salvo a vida de Snowden, bem como por sua participação ativa em tentar proteger os direitos de Chelsea E. Manning.

Asilo político:

Em 23 de junho de 2013, o Ministro dos Negócios Estrangeiros equatoriano, Ricardo Patiño, informou pelo Twitter que Edward Snowden pediu asilo político ao Equador, que posteriormente não foi processado por dúvidas e complexidade.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ofereceu asilo em seu país em 1º de julho de 2013, mas, para isso, exigiu que Edward Snowden parasse de divulgar segredos norte-americanos. Nesse tempo enviou pedidos de asilo a 21 países, entre eles: Alemanha, Áustria, Bolívia, Brasil, China, Cuba, Finlândia, França, Índia, Itália, Irlanda, Países Baixos, Nicarágua, Noruega, Polônia, Espanha, Suíça e Venezuela.

No dia 5 de julho, Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, anunciou a aceitação do pedido de asilo político de Snowden.

Em 2 de julho, o avião em que viajava o presidente da Bolívia, Evo Morales, proveniente de Moscou, foi forçado a fazer um pouso de emergência, por falta de combustível, em Viena e lá permaneceu por 14 horas, depois de Portugal, França, Espanha e Itália revogarem as permissões de aterrissagem e sobrevoo dos seus espaços aéreos, sob pressão dos Estados Unidos, que suspeitavam que Snowden estivesse a bordo. Em 6 de julho, Evo Morales ofereceu asilo humanitário a Snowden.

Com a descoberta de que o Brasil é alvo de espionagem por parte dos órgãos de inteligência dos Estados Unidos, vários senadores defenderam que Brasil concedesse asilo a Edward Snowden.

Asilo político na Rússia:

Em 1 de agosto de 2013, às 15h30, hora local, Edward Snowden entrou em território russo, depois de ter recebido documentação do Serviço de Migração russo que lhe concedeu asilo por um ano na Rússia.

Em 18 de janeiro de 2017, a Rússia estendeu o asilo político à Snowden por mais 02 anos.

O professor de sociologia da Suécia, Stefan Svallfors, indicou Snowden ao Prêmio Nobel da Paz em 2015. Em carta endereçada ao Comitê Nobel norueguês, Svallfors afirmou que os feitos de Snowden são "heroicos e significaram grandes sacrifícios pessoais". No mesmo documento, afirmou ainda que a atitude do ex-analista da Agência de Segurança Nacional estimula que pessoas envolvidas em atos contrários aos direitos humanos possam denunciá-los.


Em 2013, Snowden recebeu a Sam Adams Award. O prêmio é concedido anualmente a um profissional de inteligência que seja reconhecido por haver assumido uma posição de integridade e ética.


Em 18 de Fevereiro de 2014, vencendo três concorrentes e recebendo mais da metade dos 6.560 votos,Snowden foi eleito para servir como Reitor da Universidade de Glasgow.

Posterior a eleição, Snowden emitiu um comunicado dizendo que estava "honrado e grato pela declaração histórica em defesa dos nossos valores compartilhados". Ele continuou: "Somos lembrados por esta decisão ousada que a base de todo aprendizado é ousada. A coragem de investigar, experimentar, perguntar. Se não contestar a violação do direito fundamental de pessoas livres de não serem molestados em seus pensamentos, associações e comunicações — de serem livres de suspeita, sem causa — teremos perdido a base da nossa sociedade pensante. A defesa dessa liberdade fundamental é o desafio de nossa geração, um trabalho que exige a criação de novos controles e proteções para limitar os poderes extraordinários de Estados sobre o domínio da comunicação humana". Snowden sucederá o ex-líder do Partido Liberal Democrata britânico Charles Kennedy. O cargo é simbólico mas a escolha é feita por eleição.


Em abril de 2014, juntamente com Laura Poitras, Snowden recebeu o Prêmio Ridenhour por expôr a verdade.

Em 18 de março de 2014, falando da Rússia através de um robô conectado via Internet, Edward Snowden apareceu na conferência TED. Foi saudado e chamado de herói por Tim Berners-Lee, criador da WWW, pelas revelações sobre a vigilância global pela NSA.

Ameaças de morte:

Desde as revelações de vigilância global da NSA, Snowden tem recebido ameaças de morte anônimas, feitas por agentes de várias organizações americanas incluindo o Pentágono e a NSA.

Em depoimento ao Parlamento Europeu em 7 de março de 2014, Snowden afirmou que os Estados Unidos teriam pedido sua execução.

A grande mídia dos EUA como o The New York Times, CNN e outros estabelecimentos têm permanecido em silêncio sobre o assunto de que funcionários do governo dos EUA têm afirmado que pretendem assassinar Edward Snowden.

A primeira vez que a situação foi levada a público foi através da Nord deutscher Rundfunk (NDR), um serviço público de rádio difusão e televisão, com sede em Hamburgo, na Alemanha e do site BuzzFeed.

Em entrevista ao vivo à NDR dada por Snowden em 26 de janeiro de 2014, as ameaças de morte a Snowden foram tratadas como notícia extremamente importante.

Em janeiro de 2014, o BuzzFeed publicou um artigo intitulado: "Espiões americanos querem Edward Snowden morto".

O artigo citou um oficial do Pentágono dizendo: "Eu gostaria de colocar uma bala na cabeça dele."

Outro indivíduo identificado apenas como sendo um analista da NSA disse :

"Em um mundo onde eu não estaria impedido de matar um americano, eu iria matá-lo pessoalmente."

Um oficial de alta patente do exército americano chegou a descrever o cenário que ele e seus colegas imaginam para matar Snowden. Disse o oficial ao BuzzFeed:

"Eu acho que se tivéssemos a oportunidade, acabaríamos com isso rapidamente. Apenas de maneira bem casual, quando ele (Snowden) vai andando nas ruas de Moscou, voltando de comprar seus mantimentos. No caminho de volta para seu apartamento, ele recebe um esbarrão aparentemente acidental por um transeunte. Ele nem pensa muito sobre isso no momento em que acontece mas pouco depois se sente um pouco tonto e pensa que é um parasita da água local. Daí, ele vai para casa muito inocentemente e a próxima coisa que você fica sabendo é que ele morreu no chuveiro.

Outro funcionário foi citado, afirmando que Snowden não merece qualquer julgamento e deve ser imediatamente enforcado.

Várias outras ameaças têm sido publicadas. Snowden afirmou em junho de 2013 que sabia que ir contra a agência de inteligência mais poderosa do mundo colocaria sua vida em perigo. Em dezembro de 2013, vendo que as revelações causaram uma resposta por parte de vários países, ele afirma que considera sua missão cumprida.

O advogado russo de Snowden, Anatoly Kucherena, afirma que as ameaças são sérias e que o governo americano precisa explicar o fato. Ele desafiou o governo dos EUA a nomear os funcionários que fizeram tais ameaças. Anatoly disse a imprensa:

"Acreditamos que o governo dos EUA precisa prestar atenção a tais declarações"..."As pessoas que fazem declarações extremistas fazem-no, escondidos em uma máscara sem revelar suas identidades.

"Mas temos publicações impressas específicas dessas entrevistas. Vamos pedir que as máscaras dessas pessoas sejam retiradas. Precisamos saber quem é este oficial NSA e de quem dá as ordens sobre maneiras de eliminar Edward Snowden.

Desde que recebeu asilo temporário na Rússia, em agosto de 2013, Snowden vem sendo protegido por Moscou, o que causou ultraje aos EUA a ponto de Barack Obama recusar um convite para um encontro de cúpula vindo de Vladimir Putin. Desde que a Rússia concedeu asilo a Snowden e deu-lhe proteção, o governo americano passou a tratar o país com hostilidade ainda mais evidente do que anteriormente, o que diminuiu com a chegada de Donald Trump à Casa Branca.

Acesso do público aos documentos revelados:

Cópias dos documentos originais já publicados pela impressa internacional, bem como informações sobre os programas e ligações para publicações pela imprensa internacional,vêm sendo disponibilizadas ao público desde 9 de agosto de 2013, no sítio eletrônico da "The Courage Foundation" (Fundação Coragem, em português), na seção "Revelações" (Revelations, no site). Anteriormente chamada "Fundo para Proteção e Defesa de Fontes Jornalísticas" (traduçāo em português), é uma entidade situada no Reino Unido que tem como objetivo ajudar na defesa e campanhas de apoio judiciário a fontes jornalísticas.


A "The Courage Foundation" publica também informações atualizadas sobre as ameaças que Edward Snowden enfrenta, como ele está sendo protegido e sobre campanhas para apoiá-lo.

Entre as publicações, estão incluídos os documentos revelados referentes as parcerias da NSA com empresas e entidades privadas bem como os referentes aos países parceiros da NSA, uma vez que, através das revelações do Programa de Vigilância Global, iniciadas em junho de 2013 com base nos documentos revelados por Edward Snowden, mais informações vieram a público sobre as atividades conjuntas de vigilância global dos países signatários do Tratado de Segurança UK-USA referidos como "Cinco Olhos" (Five Eyes - em inglês): Estados Unidos, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Reino Unido, e de seus parceiros privados.

Originalmente em língua inglesa, os documentos são ricos em ilustrações esclarecedoras, uma vez que parte do material consta de inúmeros slides ilustrados de apresentações em PowerPoint.

Glenn Greenwald, uma das poucas pessoas a quem Edward Snowden entregou o documento revelando os programas de vigilância e espionagem global, vem publicando no The Intercept os documentos que servem de base para as publicações na imprensa das informações sobre cada programa de vigilância revelado, bem como a documentação dos acordos entre países participantes da vigilância global.

A Electronic Frontier Foundation também coleta os documentos já publicados e disponibiliza-os ao público. Alguns jornais de língua portuguesa tiveram acesso e publicaram parte dos documentos e slides com informações na língua portuguesa.

Em julho de 2014 foi noticiado que Edward Snowden teria publicado documentos revelando que Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Da'ish, seria na verdade Simon Elliott, de ascendência judia, recrutado pelo Mossad para criar discórdia entre os muçulmanos, fomentar a guerra entre o Oriente e o Ocidente e assim reforçar a posição do Estado de Israel no Oriente Médio.


Segundo os documentos supostamente revelados por Snowden, a única solução para a proteção do Estado judeu seria "criar um inimigo perto de suas fronteiras"
 

'Brasil é um grande alvo', diz jornalista sobre vigilância dos EUA

Documentos revelados em julho de 2013, mostram que o governo dos Estados Unidos espionou milhões de telefonemas e emails de brasileiros. A notícia põe o Brasil como mais uma conexão da rede de espionagem americana no mundo, que vem sendo denunciada pelo ex-técnico da agência de segurança nacional dos Estados Unidos Edward Snowden.

A informação, manchete da edição do jornal "O Globo", em 07/07/2013, foi obtida por um jornalista que recebeu os documentos e divulgou todas as denúncias de Snowden. O jornalista se chama Glenn Greenwald, mora no Brasil e foi entrevistado na época, pela repórter Sonia Bridi.

Glenn Greenwald, que escreve para o jornal inglês "The Guardian", desvenda aos poucos os cinco mil documentos que abalaram o governo Obama e as relações diplomáticas americanas com vários países. Greenwald já estava morando no Brasil há oito anos.

Ele recebeu os documentos de Edward Snowden, um ex-técnico de uma empresa contratada pela NSA, a agência de segurança nacional dos Estados Unidos.

“Ele estava sendo treinado para saber como invadir os sistemas de outro país. E também ele estava cuidando do sistema americano. Ele foi autorizado para saber muitas coisas que o governo estava fazendo. Ele me mandou um e-mail em dezembro de 2012 falando que ele tinha documentos”, conta Glenn Greenwald.

Quatro meses de conversas pela internet até marcar o encontro pessoal. Foi no começo de junho de 2013, em Hong Kong.

“E o primeiro dia quando cheguei a Hong Kong, eu o encontrei no hotel onde ele estava ficando e ele me deu um "pendrive" com dois mil documentos mais ou menos. E eu não dormi naquela noite e comecei escrevendo os artigos quase que imediatamente", recorda.

Foi só o começo. Nestes pendrives - que tem cópias em lugares seguros – estão, ao todo, cinco mil documentos que Snowden entregou a Greenwald ao longo de 11 dias.

O governo americano estava fazendo espionagem para todo mundo. Mas com o Brasil tem várias razões, que é um alvo grande. Eles estavam coletando uma quantidade muito grande desse país - o sistema brasileiro. Eles estavam coletando mais do que quase outro país, mas com certeza do que outro país da América Latina, mas quase mais do que todos os outros países no mundo todo.

Sem discriminação. Todo dia tem milhões de e-mails e milhões de ligações que eles estão coletando. Informação para quem você ligou, quem está ligando para você, para quem você está mandando e-mail, recebendo e-mail, quanto tempo você está falando. Eles estão manipulando o sistema brasileiro e temos muitos documentos que mostram isso.

Não há evidência de que as conversas tenham sido ouvidas - que houve grampos a pessoas específicas. Mas é um registro massivo de ligações - o número que chamou, o número chamado, o tempo da ligação e, se for de celular, onde cada um estava no momento da conversa. No caso de comunicação por email ou redes sociais, fica registrado também o número do IP - a identidade do computador. Assim, a agência, se quiser, pode invadir o computador e retirar todas as informações armazenadas nele.

Documentos super secretos mostram onde estão instalados, pelo mundo, os sistemas de monitoramento de um programa batizado de X-Keyscore. Um mapa da NSA confirma que o Brasil está entre os países espionados por esse programa, que detecta a atividade de estrangeiros no país, através do idioma usado na comunicação - por telefone ou email.

“Quando você vê toda a informação, você percebe que algumas dessas coisas são abusivas. Sou só um cara normal que senta todos os dias para trabalhar, vê o que acontece e pensa: "Eu não estou em posição para decidir, o público precisa decidir se usar esses programas é correto ou não", disse Snowden.

“Sentado na minha mesa, eu tinha a capacidade de grampear qualquer um, desde você até seu contador, até um juiz federal ou o presidente”, revelou Snowden, na entrevista a Glenn Greenwald.

Com outro programa de espionagem, chamado de Prism, a NSA acessa os servidores de grandes empresas de internet no mundo, como Google, Facebook e Skype. Nos Estados Unidos, as três empresas disseram que só fornecem informações ao governo sob ordem judicial.

“Temos uma lei que fala: o governo americano não pode coletar informação, ou comunicações, dos americanos sem um tribunal. Então, se eles querem coletar ligações, e-mails, dos americanos ou cidadãos americanos, eles precisam ir para tribunal mostrar evidência que a pessoa é suspeita de estar trabalhando com terroristas. Para os estrangeiros, todas as outras pessoas no mundo que não são americanos, eles não precisam de nenhuma permissão do tribunal”, explica Glenn Greenwald.

Os documentos não deixam claro quantas e quais empresas de telecomunicações brasileiras tiveram seus dados redirecionados pelas empresas americanas para a central de operações da NSA. E nem se essas empresas brasileiras sabem que isso estava acontecendo.

As empresas brasileiras de telefonia e internet têm parceria operacional com as americanas - isso é normal, permite ligações internacionais, por exemplo. Mas segundo Greenwald, permite acesso das empresas americanas aos dados do sistema de comunicações do Brasil. Dados que estariam sendo transferidos para a NSA.

A central da NSA, que fica em Utah, nos Estados Unidos, armazena os dados por um ano, segundo Greenwald.

"Por exemplo, se você é jornalista, você começa fazendo investigação sobre o governo dos Estados Unidos. Eles podem a qualquer hora invadir o seu computador".

"Se você pergunta ao governo americano sobre qualquer coisa que eles estão fazendo em segredo, eles vão sempre falar: estamos fazendo isso porque queremos proteger nossos cidadãos contra terroristas, queremos saber o que as pessoas más estão fazendo. É a desculpa que eles usam para tudo", revela o jornalista.

Nos mapas da NSA, vazados por Snowden, que ilustram com cores a quantidade de mensagens e ligações rastreadas, o Brasil aparece em vermelho. O Brasil é o mais vigiado da América Latina. Estes mapas trazem a data de março do ano de 2013. O Brasil está atrás apenas dos Estados Unidos, que teve dois bilhões e 300 milhões de mensagens e ligações interceptadas.
   

Snowden: nós mudamos a forma como o mundo percebe a vigilância em massa

Três jornalistas e eu trabalhamos intensamente em um quarto de hotel em Hong Kong, esperando para ver como o mundo reagiria à revelação de que a Agência de Segurança Nacional (NSA) vinha fazendo registros de quase todas as chamadas de telefone nos Estados Unidos.

Nos dias que se seguiram, aqueles jornalistas e outros publicaram documentos revelando que governos democráticos monitoravam as atividades privadas de cidadãos comuns que não tinham feito nada de errado.

Em poucos dias, o governo dos Estados Unidos respondeu, fazendo acusações contra mim nos termos da legislação de espionagem da 1ª Guerra Mundial.

Os jornalistas foram aconselhados por advogados a não voltar aos Estados Unidos, pois corriam o risco de serem presos ou intimados. Os políticos correram para condenar os nossos esforços como antiamericanismo ou mesmo traição.

Em segredo, houve momentos em que eu me preocupei por ter colocado nossas vidas privilegiadas em risco a troco de nada – pois talvez o público reagisse com indiferença ou cinismo ante às revelações.

Nunca fui tão grato por estar errado.

Dois anos depois, a diferença é enorme. Em um único mês, o invasivo programa de rastreamento de chamadas da NSA foi declarado ilegal pelos tribunais e repudiado pelo Congresso.

Depois de uma investigação da Casa Branca que descobriu que este programa nunca havia impedido sequer um ataque terrorista, até o Presidente, que chegou a defender sua adequação e criticou a sua divulgação, exigiu agora que fosse encerrado.

Este é o poder de um público bem informado.

Acabar com a vigilância em massa de telefonemas privados sob a Lei Patriota dos EUA é uma vitória histórica para os direitos de cada cidadão, mas é apenas o mais recente produto de uma mudança na consciência global.

Desde 2013, agências de toda a Europa vêm praticando leis e operações similares ilegalmente e impondo novas restrições a atividades futuras. As Nações Unidas declararam a vigilância em massa uma violação inequívoca dos direitos humanos. 

Na América Latina, os esforços dos cidadãos no Brasil levaram ao Marco Civil, a primeira lei de direitos na internet do mundo. Reconhecendo o papel fundamental de um público informado em corrigir os excessos do governo, o Conselho Europeu pediu novas leis que impeçam a perseguição de quem vaza informações.

Além das fronteiras da lei, o progresso chegou ainda mais rapidamente. Tecnólogos têm trabalhado incansavelmente para redesenhar a segurança dos dispositivos que nos cercam, juntamente com a linguagem da própria internet.

Falhas secretas nas infraestruturas críticas que haviam sido exploradas pelos governos para facilitar a vigilância em massa foram detectadas e corrigidas. Salvaguardas técnicas básicas, tais como criptografia – no passado considerada enigmática e desnecessária – estão agora habilitadas de forma padrão nos produtos de empresas pioneiras como a Apple, assegurando que mesmo se um telefone for roubado, a vida privada permanece privada.

Tais mudanças tecnológicas estruturais podem garantir o acesso a privacidades básicas para além das fronteiras geográficas, defendendo cidadão comuns da aprovação arbitrária de leis antiprivacidade, como as que estão em vigor atualmente na Rússia.

Embora tenhamos percorrido um longo caminho, o direito à privacidade – a fundação das liberdades consagradas na Carta de Direitos dos Estados Unidos – permanece sob a ameaça de outros programas e autoridades. Alguns dos serviços onlines mais populares do mundo foram convocados para programas de vigilância em massa da NSA, e as empresas de tecnologia estão sendo pressionadas pelos governos ao redor do mundo para trabalhar contra os seus clientes, em vez de para eles.

Bilhões de registros de localização de telefones celulares e comunicações ainda estão sendo interceptados sob outras autoridades sem levar em conta a culpa ou a inocência das pessoas afetadas. Nós aprendemos que o governo enfraquece intencionalmente a segurança fundamental da internet com “vulnerabilidades” que transformam vidas privadas em livros abertos.

Metadados revelando as associações e os interesses dos usuários comuns da internet ainda estão sendo interceptados e monitorados em uma escala sem precedentes na história: enquanto você lê este artigo, o governo dos Estados Unidos faz uma anotação.

Fora dos Estados Unidos, mestres em espionagem na Austrália, Canadá e França têm explorado tragédias recentes para buscar novos poderes intrusivos, apesar da evidência esmagadora de que este tipo de autorização não evita ataques terroristas.

O primeiro ministro britânico David Cameron recentemente refletiu: “nós queremos permitir que um meio de comunicação que não conseguimos monitorar se coloque entre as pessoas? ”. Ele logo encontrou uma resposta anunciando que: “por muito tempo, temos sido uma sociedade passivamente tolerante, dizendo aos nossos cidadãos: ‘contanto que você obedeça a lei, vamos deixá-lo em paz’”.

Na virada do milênio, poucos imaginavam que os cidadãos de democracias desenvolvidas seriam obrigados a defender o conceito de “sociedade aberta” perante seus próprios líderes. No entanto, o equilíbrio de poder está começando a mudar. Estamos testemunhando o surgimento de uma geração pós-terror, uma geração que rejeita uma visão de mundo definida por uma tragédia singular.

Pela primeira vez desde os ataques de 11 de setembro, vemos o esboço de uma política que se afasta da reação de medo em favor da resiliência e da razão. Com cada vitória judicial, com cada mudança na lei, demonstramos que os fatos são mais convincentes do que o medo. E, como uma sociedade, nós redescobrimos que o valor de um direito não está naquilo que ele esconde, mas sim no que ele protege.


Fontes: anistia.org.br/g1.globo.com/pt.wikipedia.org

Referências:

1. «Defiant Russia Grants Snowden Year's Asylum».

2. ↑ Ir para:a b «Entenda o caso de Edward Snowden, que revelou espionagem dos EUA».

3. «Brasil é um grande alvo. Documentos revelados neste fim de semana mostram que o governo dos Estados Unidos espionou milhões de telefonemas e e-mails de brasileiros».

4. «Jornalista que denunciou espionagem da NSA lança site Glenn Greenwald lançou site 'The Intercept' e diz que fará mais denúncias».

5.   «Edward Snowden says motive behind leaks was to expose 'surveillance state'».

6.  . «Edward Snowden comes forward as source of NSA leaks».

7. NSA leaker comes forward, warns of agency's 'existential threat' - CNN.com

8. Washington Post Began PRISM Story Three Weeks Ago, Heard Guardian's 'Footsteps'

9. Edward Snowden identified as source of NSA leaks - The Washington Post

10. ↑ «Edward Snowden: the whistleblower behind the NSA surveillance revelations». The Guardian.

11.   «U.S. charges Snowden with espionage». The Guardian.

12. NSA violou normas e lei de espionagem milhares de vezes Arquivado em

13. Documentário sobre Edward Snowden, 'CitizenFour' leva o Oscar 2015 - Huffibgtin Post - Fevereiro 24 2015,

14. Documentário sobre Edward Snowden, 'CitizenFour' leva prêmio internacional - Jornal O Globo,

15. Citizenfour: documentário de Laura Poitras sobre Snowden | Tecnoblog,


16.  . «Joseph Gordon Levitt Será Espião Americano em Cinebiografia Polémica de Oliver Stone».

17.  . «Snowden's loose lips on NSA: A millennial generation thing?». The Washington Times.

18. ↑. «What we know about NSA leaker Edward Snowden».


19. «Edward Snowden's father, stepmother plan to make public statement».

20.   «Former neighbor remembers Snowden as 'nice kid'».

21. «Profile: Edward Snowden».

22. «Edward Snowden's Father Speaks Out To Fox About Media 'Misinformation,' Asks Son To Stop Leaking».

23. ↑  «NSA contractor: 'I know I have done nothing wrong'».

24. «U.S. Fears Edward Snowden May Defect to China: Sources».


25. «Snowden's Life Surrounded By Spycraft».

26. «Exclusive: Snowden as a teen online: anime and cheeky humor».

27.  «Snowden Web manga profile still online]».

28.  «For Snowden, a Life of Ambition, Despite the Drifting».

29. Edward Snowden se alistou para as Forças Especiais, confirma o Exercito americano - The Guardian - 10 de junho de 2013

30.   «Edward Snowden did enlist for special forces, US army confirms». The Guardian.

31. ↑ «For Snowden, a Life of Ambition, Despite the Drifting».

32. NSA leaker Edward Snowden’s path from security guard to security clearance | Toronto Star

33. «Who is NSA whisteblower Edward Snowden?».

34. «Edward Snowden: Ex-CIA worker comes forward as leaker, says he was protecting 'basic liberties'». Chicago Tribune.

35. «EUA pressionam Hong Kong a extraditar Snowden».

36. Jornalista do caso Snowden lança livro com novas espionagens da NSA - notícias em O Programa

37. Jornalista relata bastidores do caso Snowden em livro Sem Lugar para se esconder: Edward Snowden, a NSA e a espionagem do governo americano - Estadão - 14 de maio de 2014

38. As Revelações de Edward SnowdenVideo-Conferência dos três jornalistas que receberam os documentos de Edward Snowden:Laura Poitras, Glenn Greenwald e Barton Gellman Vídeo (em inglês)-

39. "Não sucumbiremas a ameaças: Jornalistas retornam pela primeira vez aos Estados Unidos desde que iniciaram as revelações da espionagem pela NSA (transcriçāo em inglês e espanhol)| Democracy Now!

40. «traduzido Como revelamos a história da NSA - titulo original How we broke the NSA story: Laura Poitras tells Salon about getting contacted by Edward Snowden, and reveals more footage is coming».

41. «EUA indiciam Snowden por espionagem e roubo de dados públicos».

42.   «Ex-CIA director: Snowden should be 'hanged' if convicted for treason».

43. http://www.cnn.com/videos/us/2015/11/19/ex-cia-director-james-woolsey-edward-snowden-intvw-nr.cnn

44. «Avião onde viaja Snowden já aterrou em Moscovo».

45.   G1 - Conheça Sarah Harrison, militante do WikiLeaks que ajuda Snowden - O Globo

46. «Avião onde viaja Snowden já aterrou em Moscovo - Globo - DN»

47. «Estadão: Snowden recebe asilo temporário na Rússia».

48. CCC-TV - Through a PRISM, Darkly

49. CCC-TV - Congresso de Comunicação Chaos - Assita o Video da Palestra de Sarah Harrison - Sysadmins of the world, unite!

50. The Government of Ecuador has received an asylum request from Edward J. #Snowden

51. Edward Snowden pediu asilo político ao Equador

52. Equador tem dúvidas sobre asilo[ligação inativa]

53. Wikileaks: Edward Snowden submits asylum applications,

54. Snowden enviou pedido de asilo ao Brasil, diz WikiLeaks

55. Estadao Online: Brasil rejeita pedido de asilo de Snowden, diz Itamaraty,

56. Opera Mundi: Maduro anuncia que Venezuela concederá asilo a Snowden,

57. Avião de Morales é forçado a pousar na Áustria por suspeita de levar Snowden. Terra,

58. Assange on the Untold Story of the Grounding of Evo Morales’ Plane During Edward Snowden Manhunt.

59. A covardia europeia contra o presidente Evo Morales.

60. 25 verdades sobre o caso Evo Morales/Edward Snowden.

61. As mentiras da França sobre o caso Evo Morales/Edward Snowden

62. 25 verdades sobre o caso Evo Morales/Edward Snowden

63. OGlobo:Senadores defendem que Brasil conceda asilo a Edward Snowden,

64. Público: Edward Snowden saiu do aeroporto de Cheremetievo,

65. Estado de S. Paulo: Snowden recebe asilo temporário na Rússia


66. «Rússia estende residência de Snowden após perdão dos EUA a Manning».

67. «Edward Snowden nomeado para prêmio Nobel da Paz».

68. «Klokkenluider Snowden genomineerd voor Nobelprijs voor de Vrede». de Volkskrant.

69. Edward Snowden é indicado ao Nobel da Paz Arquivado em

70. The Nobel Prize Watch

71. «Edward Snowden é eleito reitor da Universidade de Glasgow».

72. (traduzido) Anúncio oficial de resultado ( incluindo votação)

73. http://www.bbc.co.uk/news/uk-scotland-glasgow-west-26243567

74. «(traduzido) Snowden honrado pela eleição para Reitor da Glasgow University»


75. «Snowden é eleito reitor da Universidade de Glasgow».

76. Edward Snowden and Laura Poitras Win Ridenhour Prize for Truth-Telling | Nation Institute

77. The Ridenhour Prizes - Fostering the spirit of courage and truth

78. ↑ Ir para:a b Father of the Web Meets a Robot Edward Snowden, Calls Him a Hero Tim Berners-Lee,

79. Edward Snowden says more revelations to come TED

80. Advogado de Snowden pede que EUA respondam sobre ameaças de morte contra informante - Jornal O Globo

81. Snowden diz ao Parlamento Europeu que EUA teriam pedido sua execução

82. Exclusiva entrevista de Snowden na Alemanha - veja a entrevista (em inglês) -

83. (Espiões americanos querem Edward Snowden morto) America's Spies Want Edward Snowden Dead

84. Edward Snowden, after months of NSA revelations, says his mission’s accomplished - The Washington Post

85. Edward Snowden 'fears for life after death threats from Pentagon and NSA' | Mail Online

86. Documentos Revelados publicados | Site Free Snowden

87. Documentos Revelados publicados sobre ataque cibernetico

88. Galeria de Fotos - Espionagem da NSA na Alemanha - SPIEGEL ONLINE - International

89. INFO: Brasil sabia sobre espionagem dos EUA desde 2001,

90. «Os "Cinco Olhos" e os cegos»


91. Video: Como a Arquivado em

92. Conferência dos Cinco Olhos

93. [1]  VPN e VOIP

94. 20140312-Intercept-

95. No alvo dos EUA - O Globo - 2013

96. Simon Elliot, alias Al-Baghdadi, de père et mère juifs, et agent du Mossad, CROAH.fr, 3 de agosto de 2014 (em francês)

97. Baghdadi 'Mossad trained'[ligação inativa]