Entenda qual o objetivo da Otan e por que a Rússia não quer a Ucrânia no bloco


A Rússia invadiu a Ucrânia nesta quinta-feira (24) após meses de tensão depois de posicionar mais de 100 mil soldados na fronteira com o país. Desde novembro, Moscou ameaçava tomar "ações militares" caso a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), aliança militar ocidental, não se comprometesse a vetar a adesão da Ucrânia ao bloco -o que não ocorreu. Entenda o que é a Otan, qual o objetivo do grupo e por que ela é central para explicar o conflito no leste europeu.

O que é a Otan:

Sigla para Organização do Tratado do Atlântico Norte, é uma aliança militar comandada pelas potências do Ocidente. Foi criada em 1949, durante a Guerra Fria, a princípio com 12 países, como uma frente militar contra a União Soviética -que lançou sua própria versão comunista, o Pacto de Varsóvia, seis anos depois. Com o fim do bloco comunista, em 1991, a aliança atuou em conflitos como as guerras da Bósnia, do Kosovo e do Afeganistão. A principal vantagem de fazer parte da aliança está no artigo 5º do tratado, o princípio da defesa coletiva, que garante proteção militar a qualquer país do bloco -na prática, países com infraestrutura menos organizada podem receber a proteção de potências militares como os Estados Unidos.

QUEM SÃO OS MEMBROS

A aliança se expandiu ao longo dos anos e hoje conta com 30 membros.

Membros originais (1949):

Bélgica; Canadá; Dinamarca; Estados Unidos; França
Islândia; Itália; Luxemburgo; Holanda; Noruega; Portugal
Reino Unido.

Expansões posteriores:

1952: Grécia; Turquia;

1955: Alemanha Ocidental.

1982: Espanha.

1999: República Tcheca; Hungria; Polônia.

2004: Bulgária; Estônia; Letônia; Lituânia; Romênia
Eslováquia; Eslovênia.

2009: Albânia; Croácia.

2017: Montenegro.

2020: Macedônia do Norte.

Embora seja considerada "aliada", a Ucrânia não faz parte da Otan, e foi justamente contra a adesão do país à aliança militar que a Rússia deu início à guerra. Depois de flertar com o bloco no pós-Guerra Fria, com apoio militar na ex-Iugoslávia em 1996, por exemplo, Moscou foi se afastando e passou a considerar a presença da Otan no leste europeu uma das principais ameaças ao país. O incômodo aumentou sobretudo depois de 2004, quando as ex-repúblicas soviéticas, Estônia, Letônia e Lituânia aderiram à aliança. Isso porque os russos afirmam que os Estados Unidos haviam acordado, em 1990, que o bloco não chegaria à antiga União Soviética, ainda que um pacto formal com essa cláusula nunca tenha sido assinado.

Ao longo dos anos 2000, o ex-presidente americano George W. Bush tentou incluir a Ucrânia no bloco, mas teve objeção da França e da Alemanha, muito mais dependentes da Rússia, temendo uma escala militar. Em 2008, o encontro da Otan em Bucareste terminou com a promessa de que a Ucrânia e a Geórgia, outra ex-república soviética, fariam parte do bloco em algum momento. Foi um dos motivos pelos quais, meses depois, a Rússia invadiu a Geórgia e conseguiu bloquear a adesão do país ao grupo, em um contexto muito similar ao da guerra de agora.

A Rússia agora tenta um movimento similar. Primeiro, em novembro do ano passado, posicionou 100 mil soldados na fronteira com a Ucrânia. Em meio aos temores de invasão, Moscou indicou que recuaria caso a Otan se comprometesse a jamais aceitar a adesão da Ucrânia ao bloco. A exigência não foi aceita e agora, após meses de tensão, a Rússia iniciou uma invasão militar sobre o país vizinho.

Cronologia:

1949 - Os 12 países fundadores da Otan assinam o Tratado do Atlântico Norte em Washington

1952 - Turquia e Grécia aderem

1955 - A Alemanha Ocidental se une à Otan, após anos de desnazificação

1956 - Primeira crise interna, com EUA se opondo à intervenção franco-britânica na crise de Suez

1961 - A Guerra Fria eleva patamar com a construção do muro de Berlim

1966 - França deixa a estrutura de comando da Otan, acusando excesso de poder americano

1982 - Espanha entra na Otan

1989 - Cai o muro de Berlim, começo do fim do comunismo soviético

1990 - Reunificação alemã, Alemanha Oriental deixa o Pacto de Varsóvia

1991 - Fim da União Soviética e do Pacto de Varsóvia

1994 - Primeira ação militar da Otan: derrubada de quatro aviões sérvios na Bósnia

1994 - Guerra na Chechênia expõe fraqueza militar russa; Moscou adere a programa de parceria

1996 - Russos dão apoio a tropas da Otan na ex-Iugoslávia

1999 - Otan ataca a Iugoslávia, início do afastamento russo; Polônia, Hungria e República Tcheca aderem

2001 - Em resposta ao 11 de Setembro, é invocado pela primeira vez o artigo 5 da Otan, de defesa mútua em caso de agressão

2003 - Mais um racha: países liderados pela Alemanha vetam Otan na Guerra do Iraque

2004 - Expansão ao leste, com sete países ex-comunistas, inclusive os Estados Bálticos, elevando o número de membros para 26

2008 - Para vetar adesão à Otan, Rússia trava guerra com a Geórgia

2009 - França volta ao comando militar da Otan; Albânia e Croácia aderem

2011 - Com mandato da ONU, Otan controla espaço aéreo da Líbia

2014 - Rússia anexa a Crimeia e intervém no leste da Ucrânia para evitar adesão de Kiev ao Ocidente

2017 - Montenegro adere à Otan

2018 - Racha entre EUA de Trump e Otan cresce com cobranças americanas por mais gasto

2020 - Macedônia do Norte adere à Otan

2021 - Rússia posiciona tropas na fronteira com a Ucrânia e ameaça tomar ações militares caso Otan não vete participação de Kiev

2022 - Otan rejeita pedidos russos e Moscou ataca a Ucrânia.

Fonte de matéria: FOLHA

Postar um comentário

0 Comentários