Máterias

BARRRA BRANCA

BARRRA BRANCA

Produtos Elaamil

Farmácia Estrela Ibicaraí

Prefeitura Municipal Ibicaraí

domingo, 12 de setembro de 2021

Ministro do STF Alexandre de Moraes recebe ministro da Justiça em São Paulo



O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, recebeu nesta sexta-feira (10) em São Paulo o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Anderson Torres. Alexandre de Moraes atendeu a um pedido de Torres para o encontro, que durou mais de quatro horas.

O ministro é o integrante do STF mais atacado pelo presidente Jair Bolsonaro. Nos atos políticos dos quais o presidente participou na última terça (7) em Brasília e São Paulo, Bolsonaro o chamou de "canalha", disse que não mais cumpriria decisões dele e ameaçou o presidente do STF, Luiz Fux: "Ou o chefe desse poder enquadra o seu [Moraes] ou esse poder pode sofrer aquilo que nós não queremos".


Alexandre de Moraes é o ministro responsável pelo inquérito em tramitação no Supremo que apura a organização de atos contra a democracia. Com base nesse inquérito, ele já determinou a prisão de aliados do presidente da República e de militantes bolsonaristas, o que provocou contrariedade em Bolsonaro.


Para solicitar o encontro com o ministro do STF, Torres aproveitou uma viagem a São Paulo para uma visita à Federação Brasileira de Bancos (Febraban), em São Paulo. Na Febraban, ele discutiu a criação de uma estratégia nacional de combate a crimes cibernéticos.

Na semana passada a Febraban se tornou alvo do governo, que ameaçou desfiliar a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil da entidade devido à adesão da federação dos bancos a um manifesto pela democracia.


Sobre o encontro com Moraes, Torres afirmou que foi uma "conversa republicana" que "precisa e deve ser conduzida pelo Ministério da Justiça" e teve por objetivo "o futuro das boas relações institucionais do Brasil".


Na quinta-feira (9.9), Bolsonaro se retratou das agressões e insultos a Alexandre de Moraes, por meio da divulgação de um texto intitulado "Declaração à Nação". O texto, assinado por Bolsonaro, foi redigido pelo ex-presidente Michel Temer, que foi chamado para um encontro com o presidente no Palácio do Planalto.


Fonte de matéria: g1.com