Máterias

Produtos Elaamil

Carla Móveis de Ibicaraí

Montare Moveis Planejados em Ibicaraí

Montare Moveis Planejados em Ibicaraí

domingo, 22 de novembro de 2020

Empresa demite por justa causa seguranças que espancaram João Alberto até a morte, no Carrefour



O Grupo Vector, empresa terceirizada do hipermercado Carrefour, anunciou que rescindiu por justa causa os contratos de trabalho dos dois vigilantes envolvidos no espancamento do cliente negro na noite de quinta-feira (19.11). A morte gerou revolta e protestos em todo o País.
 
O laudo médico apontou que a vítima morreu por asfixia.

Em comunicado, a empresa informou lamentar "profundamente os fatos ocorridos e se sensibiliza com os familiares da vítima". Em nota divulgada, a companhia garantiu não ser responsável pela vigilância do prédio, mas sim do setor de prevenção e perdas.

O Grupo Vector também assegurou que irá auxiliar a Polícia Civil na elucidação dos fatos "estando à disposição das autoridades e colaborando com as investigações para apuração da verdade" e que "submete seus colaboradores a treinamento adequado inerente às suas atividades, especialmente quanto à prática do respeito às diversidades, dignidade humana, garantias legais, liberdade de pensamento, bem como à diversidade racial e étnica".


Os vigias Magno Braz Borges e Giovane Gaspar da Silva, policial militar temporário, foram flagrados pelas câmeras de segurança espancando João Alberto até a morte. Os dois tiveram prisão preventiva decretada pela Justiça. Eles foram autuados em flagrante por homicídio triplamente qualificado por motivo fútil, asfixia e recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

Na sexta-feira, uma grande manifestação foi realizada em frente à unidade do Carrefour, situada na zona norte de Porto Alegre. O protesto terminou em confronto entre manifestantes e a Brigada Militar. Cinco pessoas ficaram feridas, três manifestantes e dois PMs. Outras duas foram presas.

Este não é o único caso polêmico que aconteceu na rede de supermercados no Brasil, ainda neste ano, um cadáver foi encontrado; cão espancado e idoso expulso em loja da rede. E mesmo assim, o Carrefour diz que problemas no Brasil são 'isolados'  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

JMDC não se responsabiliza por opiniões e comentários aqui postados pelos leitores